Nota informativa n.º 3/2013
PAULO VARANDA SEM A CONFIANÇA POLÍTICA DOS SOCIALISTAS DO CARTAXO

A Comissão Política Concelhia (CPC), reunida ontem na Junta de Freguesia do Cartaxo, retirou a confiança política a Paulo Varanda, nos seguintes termos:

  1. A CPC retirou a confiança política a Paulo Varanda por traição e falta de lealdade para com o Partido que lhe deu a oportunidade de ser eleito.
  2. A CPC regista a ingratidão e o oportunismo de Paulo Varanda nas críticas que fez ao PS e à sua história no nosso concelho, construída por muitas mulheres e homens que deram sempre o seu melhor à sua terra e, por isso, mereceram sempre a confiança dos eleitores.
  3. A CPC entende que a apresentação da candidatura individual de Paulo Varanda é uma candidatura fabricada nos corredores do poder da Câmara, é uma candidatura de ajuste de contas, de vingança pessoal, protagonizada por quem não aceitou as escolhas democráticas do Partido Socialista.
  4. Hoje, Paulo Varanda, que não olhou a meios para ser candidato pelo PS, apresenta-se, de forma populista e demagógica, como um “não-político” e como um “anti-partidário”, apenas por ter sido rejeitado pelos órgãos locais, distritais e nacionais do Partido.
  5. O agora “anti-partidário” Paulo Varanda é o mesmo que há 4 anos, de livre vontade, quis integrar a lista do PS à Câmara Municipal, tendo sido o número 3 dessa lista e que, por renúncia ao cargo do Dr. Paulo Caldas e da Dr.ª Rute Ouro, ascendeu a Presidente.
  6. O agora “anti-partidário” Paulo Varanda andou nos últimos meses a mendigar o apoio dos dirigentes distritais e nacionais do PS para a sua candidatura à Câmara.
  7. O agora “anti-partidário” Paulo Varanda é o mesmo que há cerca de 4 meses atrás foi à casa do Secretário-Geral do PS, António José Seguro, pedir-lhe para que fosse Lisboa a decidir o candidato à Câmara pelo PS e não os militantes do Cartaxo.
  8. A apresentação da candidatura de Paulo Varanda é o retrato fiel daqueles que se servem dos Partidos Políticos para ascender ao poder mas que, em nome da sua vaidade e ambição, esquecem os deveres de lealdade, considerando que não têm a obrigação de prestar contas a quem representam.
  9. A CPC dá razão a todos aqueles que em 2009 demonstraram desconfiança em relação a Paulo Varanda, obrigando Paulo Caldas a refazer a lista e a despromovê-lo de segundo para terceiro. Entende a CPC que as próximas listas autárquicas terão que obedecer a critérios mais rigorosos do que as anteriores escolhidas pelo Dr. Paulo Caldas para que situações destas – inéditas no PS – não se repitam.
  10. Este princípio de perda de confiança política é válido para todos os eleitos ou militantes do PS que decidirem abandonar o projeto político que representam para ingressar em qualquer outra lista autárquica.

O Gabinete de Comunicação

Cartaxo, 12 de Março de 2013

0 Comments:

Post a Comment




Copyright 2006 | Andreas02v2 by GeckoandFly and TemplatesForYou | Design by Andreas Viklund
No part of the content or the blog may be reproduced without prior written permission.TFY Burajiru